Boluarte comparece perante a OEA assegurando que permanecerá no cargo apesar dos protestos

A
A Presidente do Peru, Dina Boluarte – PRESIDENCIA DE PERÚ

A presidente do Peru, Dina Boluarte, apresentou-se oficialmente na quarta-feira à Organização dos Estados Americanos (OEA), assegurando que cumprirá a sua obrigação como presidente e que permanecerá no cargo apesar dos protestos.

Durante o encontro, o primeiro com a organização desde que Boluarte se tornou Chefe de Estado peruano, a presidente declarou que não pretende «render-se» aos «grupos autoritários» que querem impor a sua saída do poder de forma inconstitucional, de acordo com o «Correo».

«O Peru está extremamente preocupado com o facto de uma série de acontecimentos estarem a ter lugar na região promovidos por movimentos autoritários de vários tipos que procuram sitiar processos políticos, institucionais e democráticos», acrescentou a presidente peruana durante o seu discurso, que foi feito virtualmente.

A este respeito, destacou a «firmeza» da resposta da democracia, do Congresso e das restantes instituições nacionais ao «golpe de Estado falhado do então Presidente Pedro Castillo».

Se a «tentativa de golpe» de Pedro Castillo tivesse tido êxito, segundo Boluarte, o país estaria «numa ditadura». Também defendeu a sua decisão de apresentar uma lei no Congresso peruano para antecipar as eleições gerais após os protestos, que se realizariam em Abril de 2024, de acordo com a estação de rádio RPP RPP.

A intervenção do presidente peruano surge poucos dias depois de um relator da Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH) ter dito, após uma visita de observação ao país este mês, que o Peru foi palco de «violência» durante os protestos.

«Tem havido violência, tanto alegações de violência por parte das forças de segurança que estão sob investigação, alegações que recebemos de testemunhos de membros da família, como também violência que tem afectado uma série de bens públicos e privados», disse o vice-presidente da CIDH, Stuardo Ralón, numa declaração.

O Peru encontra-se no meio de uma profunda crise política após a demissão pelo Congresso do antigo presidente Pedro Castillo, que anunciou a 7 de Dezembro que o Parlamento Andino seria dissolvido e que seria estabelecido um governo especial.

Após a detenção do antigo presidente, dezenas de milhares de pessoas manifestaram-se em protesto em várias partes do país para exigir a demissão do Presidente Dina Boluarte, a dissolução do Congresso e a convocação urgente de eleições presidenciais. Desde então, mais de 60 pessoas foram mortas em tumultos entre manifestantes e forças de segurança.

Fonte: (EUROPA PRESS)