Outro alto funcionário do Ministério da Defesa ucraniano demitido na sequência de escândalo de corrupção de abastecimento

Arquivo
Arquivo – Oleksiy Reznikov, Ministro da Defesa ucraniano – Boris Roessler/dpa

As autoridades ucranianas anunciaram uma nova demissão no Ministério da Defesa, na sequência de um escândalo de corrupção envolvendo a alegada compra de rações militares a preços inflacionados pelo Ministério da Defesa, depois de o Presidente Volodimir Zelenski ter demitido mais de uma dúzia de governadores, vice-ministros e até mesmo um vice-conselheiro.

A chefe da comissão anti-corrupção do parlamento ucraniano, Anastasia Radina, afirmou na sua conta do Facebook que a chefe do departamento de compras do Ministério da Defesa, Bohdan Jmelnitski, «foi demitida», tal como o Vice-Ministro da Defesa Vyacheslav Shapovalov.

Observou também que o Ministro da Defesa Oleksiy Reznikov confirmou que a entrega de alimentos aos militares «é efectuada com base em contratos do ano passado». «Juntamente com colegas, iremos rever documentos e preços», disse, antes de apontar para uma «reforma do sistema de aquisição de fornecimentos para o exército».

Zelenski descreveu na terça-feira a decisão de demitir mais de uma dúzia de altos funcionários na sequência dos escândalos como «necessária». «Todas as questões internas que impedem o Estado estão a ser eliminadas e continuarão a ser eliminadas. É justo, é necessário para a nossa defesa, e ajuda a nossa aproximação às instituições europeias», disse ele.

A Ucrânia foi palco de numerosos casos de corrupção no passado e a Transparency International classificou-a em 122º lugar entre 180 na sua sondagem de percepção da corrupção em 2021. A luta contra tais crimes é também uma das principais exigências da União Europeia (UE) no processo da sua possível adesão ao bloco, que a Rússia rejeita firmemente.

Fonte: (EUROPA PRESS)